As mulheres vestidas de branco

APL 3064

Na aldeia do Amedo (Carrazeda de Ansiães), conta-se que uma certa noite um homem passou pela igreja que ficava um pouco distante da povoação e viu um grupo de mulheres vestidas de branco a andar à volta da igreja.
O homem ficou intrigado e teve até medo. Por isso, estava a preparar-se para mudar o seu caminho de modo a evitar passar por ali. Só que, de repente, ao reparar melhor nas mulheres vestidas de branco, reconheceu uma tia sua que tinha morrido já havia algum tempo. Resolveu então aproximar-se e perguntou-lhe o que é que andava ali a fazer. A mulher respondeu-lhe:
— Quando fores à procissão das almas, nunca fiques dentro da igreja, porque quem não dá estas voltas em vida, tem de dá-las depois de morta. É o que eu ando a fazer.
Serve isto de aviso. Pois alguns, por comodidade ou preguiça, enquanto o povo incorpora a procissão, optam por ficar na igreja à espera que a procissão regresse.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2 Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , p.160

Ano1999

Place of collection Amedo, CARRAZEDA DE ANSIÃES, BRAGANÇA

InformanteArminda Teixeira Rodrigues (F), 44 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications