As travessuras de Santo António em pequeno

APL 1259

Santo António, quando era pequeno, ia à escola, como muitos outros meninos da sua idade. Entre os companheiros havia uma rapariguinha a quem ele sempre procurava acompanhar na ida e na volta para casa. Constantemente se entretinha a desalinhar os cabelos da menina e a fazer-lhe outras inocentes brincadeiras. A mãe da menina é que não gostava dessa amizade e proibia a filha de se sentar perto do Antoninho. Porém, nada conseguia e a linda cabeleira da filha voltava sempre em desordem da escola.
 Uma vez, a mulher irritou-se muito e cortou os lindos cabelos contra a vontade da pequena, que os foi esconder num buraco do muro do quintal, enquanto chorava amargurada.
 No dia seguinte, Antoninho ficou admirado ao ver o aspecto da amiga, muito triste e envergonhada, sem a sua linda cabeleira.
 Não se preocupou muito ao ouvir as razões que tinham levado ao indesejado corte e, depois da menina lhe dizer onde tinha escondido os cabelos cortados, pediu que lhos trouxesse.
 Ela assim fez. Com ar travesso e sorridente, o Antoninho colocou-lhos, com tal arte, que ficaram como se nunca tivessem sido cortados.
 Quando a mãe viu a cabeleira da filha e soube como lhe fora restituída, não pôde conter o seu espanto, acreditou na santidade de Antoninho e nunca mais proibiu à filha que fosse amiga com ele.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.84

Place of collection-, PONTA DELGADA, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications