[borborinho]

APL 2926

Era ainda o meu pai, que no céu esteja, vivo, lembro-me que andávamos nós na ceifa, quando se levantou um borborinho de vento tão forte que levou pelos ares os relheiros de palha.
Dizem que é o inimigo, o diabo que anda no vento. Dizem também que tem já dado grandes estouros e até espapadas.
Agora parece que já não há tantos, e quando se vêem mais é no verão porque as terras estão mais secas e então levantam muita poeira.
Se é o diabo ou não, não sei, porque não fui à escola, mas disseram-me que com orações e cruzando os dedos (fazendo a cruz grega), que eles fogem logo da gente.

Fonte Biblio SALVADO, Maria Adelaide Neto Remoínhos, Ventos e Tempos da Beira s/l, Band, 2000 , p.49-50

Ano1994

Place of collection Vale Da Senhora Da Póvoa, PENAMACOR, CASTELO BRANCO

ColectorEster de Jesus Marques (F)

InformanteMaria Augusta (F), 65 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications