Bruxa; novelos

APL 1621

Uma mulher, que em Santa Leocádia passava por bruxa (a mesma que para se vingar de um homem que se recusava a ir a uma malhada dela, o arrastara por uns pinhais, do que lhe resultou estar doente por mais dum mês, quando ela lhe prognosticara que o estaria por quinze dias) não pôde morrer, antes de “deixar os novelos”. — Perdeu a fala, e acenava a bom acenar; mas ninguém se chegava, e afirmava-se que ela não poderia morrer, sem ter a quem deixar os novelos. Por fim chegou uma filha que ela tinha, em Lisboa, a servir, e a mulher morreu, legando-lhe os ditos novelos, segundo se suspeita.

Fonte Biblio SARMENTO, Francisco Martins Antígua, Tradições e Contos Populares Guimarães, Sociedade Martins Sarmento, 1998 , p.110

Place of collection Briteiros (Santa Leocádia), GUIMARÃES, BRAGA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications