[Do Postigo da Traição ao Vale da Osseira]

APL 3117

“Junto desta Torre [de Homenagem] está hum piqueno Postiguo que chamão de treição que olha para o norte, e poente por donde he vulgar tradição se escapara o Rey ou Governador dos Mouros que o presidiam e senhoria vão com aquelles que dos seos lhes escaparão por avizo de hum tredor, no avance que e assalto lhe foi dado pelos Christãos quando lhe tomarão, os quais seguidos pelos mesmos Christãos forão por elles todos mortos no baixo de huma ribeira, entre o lugar do Seixo deste termo e a Villa de Vilarinho da Castanheira e pelos muitos ossos que nella delles ficarão e se virão muitos annos e dizem ver ainda, tomou aquele sítio o nome de Osseira que conservou e conserva athe o prezente. (…)"

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2 Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , p.225

Ano1721

Place of collection-, CARRAZEDA DE ANSIÃES, BRAGANÇA

InformanteJoão Pinto de Morais (M),

Narrativa

When XII Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications