[esponjinho]

APL 2927

Cá no Palvarinho chama-se esponjinho a um remoinho de vento. Andavam à roda levando tudo no caminho. Formavam-se no verão quando estava para vir uma tempestade. Começavam à roda no caminho onde havia muita terra, levantando molhos de feno ao ar. A gente tinha muito medo, porque as pessoas adultas diziam que aquilo era o diabo, eram almas perdidas, e que, se deitassem para lá uma navalha, que ela ficava cheia de sangue. Até disseram uma vez que um home experimentou, e ouviu-se alguma coisa a gemer. A navalha era para matar. Havia uma reza. Já não me lembro muito bem. Era assim:

Vai-te, demo, da cruz,
que lá vem o Menino Jesus.

Fonte Biblio SALVADO, Maria Adelaide Neto Remoínhos, Ventos e Tempos da Beira s/l, Band, 2000 , p.53

Ano1994

Place of collection Castelo Branco, CASTELO BRANCO, CASTELO BRANCO

ColectorElisabete Nabais (F)

InformanteMaria de Fátima Reixa (F), 51 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications