Évora

APL 2740

Já faltei na virtuosa martyr eborense, Santa Celerina, que, segundo a Evora Gloriosa, foi assassinada pelos romanos, em 93 ou 94.
Por espaço de 209 annos, foi o christianismo progredindo na Lusitania; porque as perseguiçôes de Trajano, Adriano, Decio e Aureliano, não passaram áquem dos Pyreneos; mas sendo imperadores os crueis Diocleciano e Maximiano, todo o imperio romano nadou em sangue christão.
Para as Hespanhas veio como presidente, Daciano, o monstro mais sanguinario da Italia, que, no meio dos tormentos mais atrozes, encheu de sangue a terra e de martyres o ceo.
Chegado a Évora, já manchado do sangue de milhares de victimas, deu começo à mais horrorosa carnificina, morrendo no supplicio innumeros martyres, cujos nomes hoje se ignoram.
Mandou prender S. Vicente, mancebo nobre, das primeiras familias da cidade, e com palavras amigaveis e carinhosas tentou persuadil-o que adorasse os idolos da republica. Vicente lhe respondeu, modesta, mas terminantemente, que não deixaria o Deus verdadeiro pelos falsos deuses.
Daciano ordenou aos soldados, que levassem o santo ao templo de Jupiter, para que lhe sacrificasse, e quando o não fizesse, o assassinassem.
Os soldados prenderam Vicente com cordas e o levaram em direcção ao templo; mas, no meio do caminho, parou, pedindo aos soldados que o matassem, pois preferia isso a ver os seus falsos deuses. Então – diz tradição – os soldados não o poderam tirar de sobre a pedra em que estava, tão firme, que suas pégadas n’ella ficaram impressas.
Os soldados, assombrados com isto, se contentaram em o pôr em uma casa proxima, apenas guardado por dois soldados, que o deixavam fallar com quem o procurava. Vieram suas irmans Sabina e Christeta, que expondo-lhe a pouca edade (dellas) e os perigos que corriam entre os soldados romanos, lhe supplicaram fugisse com ellas para algum sitio remoto.
O santo, annuindo, fugiu com ellas até à cidade d’Ávila, onde porém foram presas e atormentados na catasta; mas, como no meio d’este atroz supplicio, os tres irmãos continuassem a louvar o Senhor, lhes esmagaram as cabeças com pedras, até fallecerem.
Teve este martyrio logar, no dia 27 de outubro do anno 303 de Jesus Christo.
Seus corpos ficaram expostos aos animaes carnivoros, no proprio sitio do supplicio; porém uma serpente gigantesca se enroscou aos tres cadaveres, fazendo-lhes vigilante sentinella.
Um judeu, que vivia em Ávila, se dirigiu ao sitio, para ultrajar os santos despojos; porém a serpente, solta-se dos santos e se enrosca no judeu, que, vendo-se em tamanho perigo, e conhecendo o milagre, supplicou a Deus o livrasse da serpente, promettendo abraçar a religião christan e erigir um mausoleu aos santos martyres.
Concluida esta oração do judeu, a serpente o largou, e foi para a sua cova. Elle cumpriu as suas promessas: fez-se christão e construiu o promettido sepulchro, sobre o qual, quando cessaram as perseguições, se edificou um formoso templo, onde descansaram as cinzas de S. Vicente e suas irmans, até ao anno de 1062, no qual el-rei D. Fernando levou para a cidade de Leão o corpo do Santo, e o abbade, arlense, Garcia, para o seu convento, as de Santa Sabina e Christeta.
A casa d’estes tres santos, e na qual elles nasceram, era encostada aos muros da cidade, e n’ella, em sua memoria, erigiram os eborenses uma pequena ermida, que Luiz Eloy (tambem eborense) transformou, em 1467, em bellissima egreja, que ainda existe.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo III, pp. 115-117

Place of collection-, ÉVORA, ÉVORA

Narrativa

When III Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications