“História da Senhora do Pereiro”

APL 1759

Num aprazível vale ligeiramente desviado da povoação fica a ermida da Senhora do Pereiro, objecto de grande devoção de todos os naturais de Rosas.
Conta a tradição que, há muito anos, uma pobre mulher muito mal tratada pelo marido costumava ir regar aqueles campos e chorar as suas mágoas.
Um dia apareceu-lhe Nossa Senhora em cima dum pereiro que ainda hoje lá existe, pois nunca seca apesar de o terem cortado várias vezes.
Anos mais tarde, após a morte do marido, a mulher professou e mandou ali construir uma capelinha.
Perto da capela passa um caminho que era uma antiga estrada romana. Conta-se que por essa estrada passou a Rainha Santa Isabel quando entrou em Portugal pela fronteira de Quintanilha, e que aí se separou da família e da comitiva espanhola que a acompanhava. Daí o povo designar esse local por “Vale da Soidade”.
Contam ainda, os mais idosos, que certos príncipes que muito se amaram e davam pelo nome de Pedro e Inês estiveram na ermida branca a implorar ventura…

Na estrada velha passou um dia um missionário que deixou benta a água da ribeira próxima da capela da Senhora do Pereiro. Se os gados estão doentes, vão três Marias, virgens, com uma bandeja de prata na mão esquerda e uma rasca (vara) na direita e obrigam a passar o gado três vezes na ribeira molhando-o com as varas de sanguinho.
É tido como remédio segura para o sanguinholo ou garrotilho de gado.

Fonte Biblio AA. VV., - Inquérito Boléu (recolhas inéditas) Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, , p.64

Ano1972

Place of collection Santa Comba De Rossas, BRAGANÇA, BRAGANÇA

ColectorMaria Elisa Ferro Azevedo (F)

InformanteMaria Amélia (F), 54 y.o., Santa Comba De Rossas (BRAGANÇA) BRAGANÇA,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications