Joaquim Lopes e Zé da Égua

APL 435

Um homem chamado Joaquim Lopes um dia pensou em casar, mas como guardava bois, não tinha vagar de falar com o padre.
 Um dia pensou:
 - O padre quando vem da igreja passa por esta estrada. Ora eu ponho-me aqui neste alto e quando ele vier eu corro e, num instante, lhe chego ao pé.
 No momento oportuno, Joaquim Lopes, que estava lá em cima no alto, viu o padre Zé da Égua e começou a correr com o seu grande cajado.
 O padre, julgando que era um ladrão, bate na égua para ela andar mais depressa e enfia por veredas e carreiros a fugir.
 Metendo-se numa vereda muito estreita, a égua escorrega-lhe uma pata... outra vez punha outra fora até que caiu.
 Lá se conseguiu levantar e andar o seu caminho.
 E assim ficou chamada a vereda do Padre Zé da Égua.
 Até se dizia que ainda se notava onde a égua tinha caído.

Fonte Biblio S/A, . Lendas e Outras Histórias Estremoz, Escola Porfissional da Região Alentejo / Núcleo de Dinamização Cultural de Estremoz, 1995 , p.69-70

Place of collection-, ESTREMOZ, ÉVORA

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications