Lenda da cruz do preto

APL 168

Os lavradores noutro tempo tinham ali um preto e o preto ia para todo o lado, para a Boa Fé, para aqui e para ali e não tinha medo de nada; nem dos lobos. O desgraçado para sair tinha um pau com uma moca de feno mas os lobos saíram-lhe, além onde se chama a Cruz do Preto, saíram-lhe ao encontro e eram tantos que deram conta dele, do homem. Ora... mataram-no e comeram-no; só ficaram os sapatos com os pés dentro. De resto comeram-no todo.
 Por isso é que puseram lá aquela cruz, que é a Cruz do Preto, além ao pé do cromeleque dos Almendres, no caminho para a Boa Fé.

Fonte Biblio AA. VV., - Lendas e Tradições Évora, EBM's de Guadalupe, S. Sebastião da Giesteira e Valverde, 1999 , p.40

Place of collection São Sebastião Da Giesteira, ÉVORA, ÉVORA

InformanteMariana Valverde (F), 87 y.o., São Sebastião Da Giesteira (ÉVORA) ÉVORA,

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications