Lenda da imagem de Nossa Senhora da Guia

APL 78

Na herdade da Fonte Santa situada na freguesia de São Sebastião da Giesteira, havia numa família rural um vaqueiro muito devoto a Nossa Senhora e por isso, teve a mercê de lhe aparecer a Virgem Maria. Quando ele contou tal facto houve logo quem lhe quisesse mal e fosse dar parte dele ao Tribunal da Inquisição, por ser mentiroso e embusteiro. Mas as suas respostas simples e sinceras perante o Tribunal levaram a que fosse deixado em paz mas com a obrigação de voltar para a herdade e se a Virgem voltasse a aparecer pedir para ela lhe mostrar o pé.
 Passados uns dias, o vaqueiro estava a dar de beber ao gado, no ribeiro junto a fonte, quando lhe apareceu novamente Nossa Senhora, que lhe perguntou onde tinha ido, tendo ele contado tudo o que havia acontecido.
 Então a Virgem Maria mostrou o pé, e disse-lhe que havia de edificar uma ermida e que colocasse nela uma imagem com o nome de Nossa Senhora da Guia. O vaqueiro disse à Virgem que era muito pobre, que não tinha dinheiro para construir a ermida e também que o dono da herdade não lhe dava licença pois não acreditavam no que ele dizia, por mais milagres que a Senhora fizesse.
 Acontece que na casa do lavrador que se chamava António Mira Calção, começaram a acontecer coisas extraordinárias. Assim, o azeite começava a crescer dentro da talha e a ferver escorrendo pelo chão. A lavradora contou ao marido aquele milagre, mas este não aceitou como milagre. 
 Outra vez apareceu à porta do monte uma mulher pobrezinha, a pedir um bocado de pão e o lavrador mandou-a embora dizendo que não havia pão. A pedinte ao ver uma das criadas disse-lhe para ir à dispensa ver se lá encontrava um bocado de pão.
 Ela foi, trouxe um pão inteiro e correu para a porta para dar à pobrezinha, mas ela já havia desaparecido.
 Entretanto as pessoas crentes em Nossa Senhora começaram a juntar pedras para a ermida, mas o lavrador utilizou-as para fazer um curral e uma pocilga para os porcos. No entanto, todos os animais que lá metia apareciam mortos. Vieram depois outros castigos. O lavrador que era rico, foi perdendo os seus bens, teve que trabalhar à jorna e pedir esmola.
 Então Nossa Senhora apareceu ao vaqueiro dizendo que fosse a Lisboa comprar uma imagem, o que ele fez logo, trazendo-a dentro de um cestinho. Porém, passando a Aldeia Galega, comprou um macho e dirigiu-se para o monte da Fonte Santa, onde o animal parou, não querendo dar mais um passo. Então o vaqueiro pediu à Virgem que dissesse o que devia fazer. Momentos depois, o macho começou a andar e só parou à porta da Igreja de São Sebastião da Giesteira. Aqui ficou então esta imagem de Nossa Senhora da Guia, que é de madeira estofada, estando cravada num altar ao lado do Evangelho, de talha dourada, num nicho fechado, com vidraças, para maior respeito dos devotos.
 Esta lenda tem sido contada por octogenários, que já a tinham ouvido dos seus pais.

Nota: A imagem ainda hoje se encontra na freguesia de São Sebastião da Giesteira. Obras feitas, na década de 90, por a abóbada ter rachado, alteraram o nicho em que está colocada.
 

Fonte Biblio GUIOMAR, Nelson Contos e Lendas tradicionais S. Sebastião da Giesteira, Associação de Desenvimento local GIESTA, 2002 , p.10-11

Place of collection São Sebastião Da Giesteira, ÉVORA, ÉVORA

InformanteGabriela Silva (F),

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications