Lenda da Ladeira da Velha

APL 1267

Entre a freguesia do Porto Formoso e a Ponta de Santa Iria existe um arrebentão ao fundo do qual se abre uma enseada, onde em mil oitocentos e trinta e um desembarcaram as tropas liberais, comandadas pelo Conde de Vila Flor. Os miguelistas, vindos de Vila Franca, já se tinham instalado em lugar seguro, com alta serrania pelo sul e com as rochas sobre o mar, pelo norte.
 Os liberais começaram a subir o difícil arrebentão com a ideia de se posicionarem bem para que pudessem enfrentar e vencer os miguelistas.
 Com grande dificuldade e cuidado, o Conde de Vila Flor e demais liberais iam-se a pouco e pouco aproximando do lugar em que se haviam de esconder, perto da Ribeira das Limas.
 No cabo de riba da ladeira encontrava-se uma velha, uma alma pura como a de muitos outros micaelenses, convencida que os liberais não eram mais que um bando de pedreiros livres e ameaçadores da coroa do Senhor D. Miguel da fé cristã. A velha tinha visto muitos soldados a desembarcar no calhau e, quando se apercebeu que eram liberais que subiam à sucapa, foi fazendo rolar e a atirar pelo arrebentão abaixo grandes pedras, tantas quantas pôde e as mais pesadas que encontrou.
 Os liberais julgaram que tinha ali um grande exército, fugiram como puderam, esconderam-se em furnas ou buracos, mas nem todos se conseguiram desviar.
 Assim aquela velha, tal como fizera há muitos anos uma padeira em Aljubarrota, conseguiu dar cabo de uns tantos soldados e ajudou a vencer mais um combate e duma forma que ninguém esperava. A partir daí o povo passou a chamar àquele arrebentão Ladeira da Velha.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.91-92

Place of collection Porto Formoso, RIBEIRA GRANDE, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

Narrativa

When XIX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications