Lenda da Mãe Soberana

APL 2544

Vou contar a lenda da Mãe Soberana, aliás, ele há duas lendas sobre a mãe soberana, e qualquer uma delas são anteriores ao final do século dezasseis, se me recordo. E uma é portanto, havia uma donzela com cerca de quinze anos, que numa tarde ao ir colocar umas flores num altar que seus pais lhe tinham mandado edificar lá numa gruta, foi surpreendida por um fidalgo, que andava lá a ronda, que enamorado e endoidecido digamos, pela beleza daquela menina de quinze anos, pretendeu abusar dela, violentá-la. Contudo, esta miúda, resistindo, resistiu à força que o fidalgo tinha, pediu favorosamente ajuda à Virgem da Piedade. Ora, e aqui dá-se um milagre, porque a Virgem acudiu ao pedido da donzela, que saiu ilesa, e o fidalgo envergonhado, porque no fundo era uma pessoa conhecida no meio, meteu-se no convento e morreu frade, foi para frade e morreu lá no convento. Portanto, a fama que a santa, Virgem da Piedade, tinha já como milagreira, foi de tal ordem que tomou depois nome de Soberana, portanto, começaram a chamar-lhe Soberana, e passou então desde essa altura a ser idolatrada, portanto…e esta é efectivamente talvez a primeira que se conta da mãe Soberana.

Há uma outra que refere mais o milagre da questão da capela, em que, na altura, era, pretendia, os moradores, os habitantes do local, portanto a capela da Mãe Soberana pertence ao concelho de Loulé, e então pretendiam erigir a capela ou a igrejita no sítio da gruta, onde ela esta efectivamente, no início, só que os operários, portanto trabalhando durante o dia para erigir a capela deixavam à noite as ferramentas no local, iam para casa e no outro dia quando regressavam ficavam espantados ao verificarem que as ferramentas desapareciam do local onde as tinham deixado e apareciam no cume do serro. Ora, isto vezes, ou vá, durante várias vezes acabou no fundo por ser, por por ter uma única explicação, é que a santa não queria a capela no sítio da gruta mas queria a capela no cimo do serro, onde fosse vista, e efectivamente a capela foi erigida no cimo do serro. As ferramentas dos trabalhadores nunca mais desapareceram, porque eles deixavam-nas lá à noite e elas no dia seguinte de manhã estavam lá. E foi concluída já na segunda metade do século dezasseis. Portanto, estas são as duas lendas que se contam sobre as obras milagrosas da Virgem da Piedade, Mãe Soberana, que ainda lá existe, e que é uma grande festa.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2008

Place of collection-, LOULÉ, FARO

ColectorAndreia Sopa (F)

InformanteJoão Sopa (M), 57 y.o.,

Narrativa

When XVI Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications

TypesChristiansen 7060 Disputed Site for a Church