Lenda da Senhora do Livramento

APL 1301

Um terceirense, cristão muito devoto de Nossa Senhora do Livramento, foi apanhado pelos corsários que pilhavam antigamente os mares e as ilhas dos Açores. Ficou cativo de um mouro poderoso, que tinha muitos soldados ao seu serviço.
 Entre muçulmanos a vida de um cristão era difícil. Durante o dia era obrigado a trabalhar. A noite o cativo conseguia escapar algum tempo e ia juntar-se com outros cristãos, também prisioneiros, para orarem e receberem instruções dos padres que para ali eram enviados pela ordem. O mouro acabou por descobrir o que o cativo fazia e, para o castigar e impedir que praticasse os seus actos de culto, fechava-o durante a noite dentro de uma grande caixa. Mesmo assim nada conseguiu porque, apesar da segurança, o cristão escapava à prisão imposta.
 Furioso e intrigado, o moiro pôs uma sentinela ao cristão para que o vigiasse atentamente durante a noite. Por precaução o soldado só podia dormir deitado sobre a caixa em que o cativo estava fechado.
 Logo no primeiro dia, ao acordar, a sentinela abriu os olhos de espanto porque, a seus pés, sobre a caixa, estava o cristão, ajoelhado e completando a sua acção de graças, depois de voltar da reunião de culto.
 O cristão tinha conseguido todas essas proezas por intercessão de Nossa Senhora do Livramento que todas as noites o libertava da prisão imposta pelo mouro.
 A lembrar este acontecimento, havia na igreja de Nossa Senhora do Livramento, em Angra, uma escultura de um soldado deitado sobre uma caixa e um cristão, ajoelhado ao lado, rezando. Com o sismo de mil novecentos e oitenta a escultura desapareceu porque a igreja ficou toda destruída.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.129

Place of collection Angra (Nossa Senhora Da Conceição), ANGRA DO HEROÍSMO, ILHA TERCEIRA (AÇORES)

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications