Lenda da Sobreira Formosa

APL 828

Assim nos fala uma lenda…
 Terra beiroa admirável, de encantos que atraem muita gente de outras povoações, tendo por orago Sant’Iago, à sua existência está ligado o nome de D. Constança Sanches, filha bastarda do segundo rei de Portugal, D. Sancho I, o Povoador. Eram, há longos anos, donatários da risonha localidade, os condes de Sarzedas, e foi D. Manuel I, o Venturoso, quem, em 1 de Junho de 1510, lhe concedeu foral.
 Em muitos terrenos, o arvoredo crescia e apresentava lindos aspectos; e beleza e cor também ofereciam os conjuntos de flores que ali nasciam. No arvoredo avultavam, de maneira relevante muitas sobreiras, à sombra das quais gente do povo ia repousar. Entre os que o faziam notavam-se, por vezes, algumas donzelas. Um dia, gozando a sombra e fiando delicadamente, estavam ali três graciosas e sorridentes raparigas. Pelo bonito e frondoso local passou, a certa altura, um homem que se mostrava maravilhado e tinha razão forte para isso, pois, o quadro que se patenteava a seus olhos era magnífico e atraente.
 Parando um pouco e mostrando-se extasiado, fitou uma das moças, logo lhe dizendo que ela era bastante formosa. Repetiu a afirmação, e as três donzelas continuando à sombra da sobreira, dirigiram-lhe, sorridentes, expressões carinhosas. O caso foi conhecido, voltando a ser pronunciadas as palavras “formosa” e “sobreira”. Tanto isso aconteceu que, olhando para a jovem fiandeira e para a árvore, a terra que, parece, vivia sem nome, passou, com justiça, a chamar-se Sobreira Formosa.

Fonte Biblio VILHENA, M. Assunção Gentes da Beira Baixa Lisboa, Colibri, 1995 , p.98

Place of collection-, PROENÇA-A-NOVA, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications