Lenda de S. Roque do Faial

APL 124

A Norte da Ilha da Madeira fica o lugar do Senhor S. Roque do Faial. Antigamente ali era uma paróquia de pastores, devota de Nossa Senhora da Natividade do Faial. Com o aumento da população, foi requerido ao bispo do Funchal a presença de um padre. Assim aconteceu, e também S. Roque passou a ser orago da paróquia. S. Roque, que era já tido como defensor contra a peste, ali passou a acumular com patrono dos pastores e respectivos rebanhos.
 Contentes, os do lugar reuniram-se para a escolha do sítio onde se deveria erguer o templo. Discussão acesa sobre o caso. Esta só foi interrompida com o maravilhoso que aconteceu nas fragas da Penha de Águia ao ter aparecido a figura do santo como a dizer que pretendia estar ali instalado.
 Abriram-se os cofres e os pés-de-meia, mexeram-se os braços na tarefa de fazer uma igreja, que cresceu dentro do leito da ribeira. E a coisa ficaria assim, quando um dia, às Avé-Marias, um cabreiro jurou ter visto o santo que era Roque de seu nome no lugar da sua aparição. Foram lá todos, mas o santo desaparecera. Afligiram-se os crentes. Veio uma enxurrada bem forte e destruiu o templo. E perguntaram-se eles se aquilo das aparições seria para chamar a lugar seguro as gentes que no templo rezavam e as salvar de morte segura, para que não fossem arrastadas…
 E vai o povo a querer construir outra igreja no leito da ribeira, mas em posição menos vulnerável Bonito altar e toca de lá pôr dentro o santo que aparecera nos rochedos.
 Passados tempos, de novo o santo sai do altar e volta a Penha de Águia, ao local das suas aparições. Ar triste, o pobre tinha. Mas tinha também razão que a ribeira voltou a encher e o lugar julgado seguro não o era, afinal. Nos anos 30 deste século ainda se viam as rumas desta segunda igreja.
 Não teria melhor sorte a terceira igreja, edificada já na margem da ribeira, pois se e verdade que dela o santo também fugiu para os rochedos, também é verdade que o templo se foi abaixo…
 Perante tamanha insistência os paroquianos desistiram de ir buscar o santo aos rochedos!
 …em dias soalheiros há quem jure ver o S. Roque a passear-se pela penedia agreste de Penha de Águia, atento ao serviço das suas almas…

Fonte Biblio MOUTINHO, Viale Lendas e Romances da Ilha da Madeira Porto, Editora Nova Crítica, 1978 , p.47-48

Place of collection São Roque Do Faial, SANTANA, ILHA DA MADEIRA (MADEIRA)

Narrativa

When XX Century, 70s

CrençaSome Belief

Classifications