Lenda do Cântico do Mouro

APL 2818

A crença popular é como oração: eleva-se no espaço, direita à Eternidade. E embora pareça dispersa pelos ventos dos anos em fuga, ela persiste na sua rota e vai direita ao fim. Não existem guerras, nem destruições, nem cataclismos de espécie alguma capazes de matar a tradição de um povo, quando ele marcou o seu lugar na terra. Pode o homem morrer, mas o seu espírito fica, se não na História, pelo menos na Lenda!
É o caso dos mouros que povoaram a nossa terra antes das conquistas de D. Afonso Henriques. É o caso do alcaide-mor do castelo de Alcobaça, que a lenda diz ter ficado encantado numa das salas do palácio, embora a História afirme que D. Afonso Henriques, ao tomar Alcobaça, passou sobre o cadáver mutilado do alcaide mais formoso e mais dissoluto dos seus tempos. Portanto não são de estranhar as inúmeras lendas tecidas em redor deste jovem mouro, belo e voluptuoso, que em noites de luar continua a atrair as raparigas das cercanias com os seus cantares...

Jacinta era uma cachopa de ânimo forte e aspecto sadio. Tendo ficado cedo sem mãe, vivia com o pai e uma velha avó a quem muito queria. Levantava-se com o Sol e com ele se deitava, embora os rapazes e as raparigas dos casais perto do seu a desafiassem, de vez em quando, para os folguedos próprios da mocidade. Jacinta sempre recusava. O pai saía cedo para o trabalho. Tinha já de levar o almoço preparado. A avó precisava dos seus cuidados. Quem, pois, a poderia substituir em casa? Às vezes, a mocidade juntava-se e ia até Alcobaça, para assistir à romaria e dançar ao luar. Voltavam em bando, para que as cachopas não sofressem as secretas magias do alcaide mouro do castelo. Mas Jacinta ficava sempre em casa. Talvez por isso não tinha ainda namorado. A avó segredava ao filho, quando Jacinta andava entretida com o arranjo das capoeiras:
— Jacinta não casará!
O homem não se mostrava feliz.
— É isso que me apoquenta. Não sei porquê, não me sinto bem. Vossemecê também já está velha. E que vai fazer uma rapariga sozinha neste casal tão longe dos outros?
A velha sorria.
— Deus a acompanhará!
Ele encolhia os ombros.
— Deus? Mas Deus não é presença… É espírito!
— Ela sentirá a sua presença!
— Não bastará a uma mulher jovem e sadia como Jacinta. E acabará por receber o primeiro valdevinos que lhe aparecer!
A velha abanava a cabeça.
— Não acredites. Jacinta sabe o que faz!
E era sempre assim a conversa entre ambos. Um dia, porém, o homem enervou-se.
— Mãe, deixe-se de mistérios! Que sabe da Jacinta?... Ela gosta de alguém que é mais do que ela?
Sorriu a velha antes de responder:
— Se é mais!... Muito mais…
— Sendo assim, não a quer!
— Quer sim, meu filho.
— Mas quando?
— Quando tu e eu morrermos.
— Porquê só depois da nossa morte?
— Porque ela não nos quer deixar sozinhos.
— E ele levava-a para longe?
— Creio que sim.
— E quem é ele?
— Deus!
— Deus?
— Sim. Jacinta será esposa de Deus! Terás uma filha freira. Compreendes agora?
O homem ficou atónito. Perguntou-lhe ainda:
— Tem a certeza?
— Como a de estar junto de ti.
— E foi ela quem lhe disse isso?
— Adivinhei-o, primeiro. Depois, ela confessou...
— Quem diria!...
— Não acho estranheza.
Era quase noite. Preparavam-se para se deitarem. De súbito, o homem levou a mão ao coração. Chamou, aflito:
— Mãe! Dói-me o peito... Falta-me o ar... Custa-me a falar...
A velha assustou-se e chamou, atarantada:
— Jacinta!... Vem cá!
Jacinta acorreu. Ao ver o pai, fez-se terrivelmente pálida.
— Deite-se. Vou chamar alguém que possa acudir-lhe.
Ele quis falar. As palavras atabalhoavam-se, saíam sem sentido. A velha chorava alto, invocando o Céu. E Jacinta recomendou à avó:
— Olhe por ele, avó, enquanto eu vou a Alcobaça chamar o médico.
Surpreendida, a velha gritou:
— Sozinha?... E de noite?... Vais passar ao castelo!...
— Está luar, e não tenho medo.
— Pois está luar, eu sei... Ele virá!... O mouro virá e serão duas desgraças em vez de uma!
— Não se amofine. Sei tratar de mim, com a ajuda de Deus!
A velha chorava. Torcia as mãos num desespero. Por fim, lembrou-se:
— Espera! Leva esta medalha de S. Bernardo. E quando sentires o cântico do mouro, reza a oração do Santo à Virgem!
Jacinta recebeu a medalha. Pareceu ficar mais descansada. Dizia-se que a oração de S. Bernardo era o mais poderoso remédio para resistir ao cântico sedutor do mouro do castelo. Colocou a efígie do santo sobre o seio esquerdo — lado do coração — e saiu quase correndo.
A noite estava serena. Não buliam as folhas e as árvores. Não gemiam os castanheiros nem as braçadas das oliveiras. Nem sequer as cigarras cortavam o silêncio da noite adormecida, com o seu alegre gri-gri. Só os passos de Jacinta soavam na terra seca, banhada pelo luar. Ao longe, o vulto esguio do castelo parecia o alvo da Lua. Jacinta murmurou para si uma oração e, sem mesmo o querer, afrouxou a corrida. O luar, batendo em cheio nas muralhas, fazia-o surgir agora como obra demoníaca. Belo mas estranho, o castelo amedrontava essa mulher sempre forte.
Uma curva do caminho escondeu aos olhos de Jacinta o reduto desse mouro de outros tempos, o último que ali vivera, e que tantas raparigas das aldeias vizinhas atraíra e perdera para sempre. Jacinta voltou a correr. Ouvia os seus próprios passos, soando surdos no chão. Meteu-se por veredas. Ousou mesmo atravessar um riacho, fazendo ponte das pedras irregulares que os homens haviam trazido para ali. Mas o castelo voltou a surgir à luz prateada da Lua. E mais próximo, muito mais próximo, agora como grande senhor que nascera para dominar. Por instantes, Jacinta abrandou de novo a marcha. Mas a ideia de que, passado o castelo, estaria a dois passos da casa do médico de Alcobaça deu-lhe novas energias. Voltou a correr, mesmo direitinha ao castelo, pois o carreiro que tomara contornava-o a pouco mais de trinta metros de distância.
Foi então que, no silêncio da noite adormecida, um cântico dolente e belo acordou a mesma noite e pôs sobressaltos no coração de Jacinta. Correu com mais força... Reparando que mais e mais se aproximava do castelo, parou, atemorizada. O cântico ouvia-se quase a seu lado. E a voz de um timbre magnífico dizia palavras de encantamento, num convite ao amor! As pernas de Jacinta tremiam. Os seus lábios começaram então a rezar alto a oração de S. Bernardo à Virgem. Mais alto ainda, o cântico do mouro tentou sobrepor-se à oração. Pedia à jovem que entrasse no castelo, para que ele, príncipe mouro, em pessoa a pudesse receber...
Gritou Jacinta a sua prece. Gritou como louca, olhos postos no céu e mãos sobre o peito, onde guardava a medalha de S. Bernardo. De súbito uma outra voz murmurou a seu lado: 
— Vai! Caminha sem receio para o teu destino... A tua fé te salvou!
No mesmo instante, o cântico do mouro extinguiu-se, num lamento. Coberta de suores frios, Jacinta encontrou forças para recomeçar a correr. Passou o castelo. Deixou-o para trás de si. Agora já não o via. Alcobaça estava à vista. Em breve estaria à porta do médico, e com ele voltaria para salvar o pai. Já não estaria só. E o cântico do mouro não a tentaria de novo.
Jacinta voltou a estremecer. Recordava as palavras de tão sedutora magia, esse cântico de amor e nostálgica dolência. E do íntimo do seu coração subiu uma prece por todas essas raparigas que a tradição dizia terem cedido ao apelo do mouro e desaparecido para sempre nas muralhas do castelo de Alcobaça, quando em noites de luar se atreviam a passar sozinhas nos domínios do mouro mais formoso que a Lenda diz ter existido!...

Fonte Biblio MARQUES, Gentil Lendas de Portugal Lisboa, Círculo de Leitores, 1997 [1962] , p.Volume III, pp. 65-68

Place of collection Alcobaça, ALCOBAÇA, LEIRIA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications