Lenda do Mouro Encantado

APL 2676

Lembro-me do meu pai contar que tinha 16 anos e andava no mar às redes.
Ás 3 horas da manhã tinha de ir para o mar mas deixou-se dormir, quando acordou eram 5 horas da manhã e já os colegas tinham ido para o mar. Foi a pé até às Quatro Águas, mas antes de chegar às Quatro Águas, ao pé de uma fábrica conserveira, hoje a fábrica Tavirense, encontrou um bebé a chorar. Ficou indeciso, ia para o mar e não sabia que fazer, ele ainda ficou indeciso não sabia o que fazer, mas como ia para o mar, pegou no bebé para o entregar aos homens que eram mais velhos do que ele. Foi andando com o bebé e o bebé sempre a chorar. Chegou ás Quatro Águas e como tinha de passar de barco para a ilha colocou o bebé no chão para ir buscar o barquinho para poder passar para o outro lado e o bebé desaparece. Ao mesmo tempo o meu pai assustou-se pegou no barquinho e foi para a ilha. No meio do rio, antes de chegar à ilha apareceu um cavalo, um cavalo e um senhor em cima do cavalo.
Então o senhor disse:
- Ah traidor que quebraste a minha sina!
Então ele com medo foi embora e tudo desapareceu.
Ele depois com medo e a chorar contou aos colegas que o confortaram.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2008

Place of collection-, TAVIRA, FARO

ColectorAna Isabel Afonso (F)

InformanteMaria Odilia Rodrigues (F), 67 y.o., born at - (TAVIRA) FARO,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications