Lenda dos Januários

APL 586

Por volta do século XVI, XVII, (não se sabe a data ao certo), um senhor, talvez nobre, possuidor de grandes bens e terras nas duas margens da rio Zêzere, resolveu, ao morrer, legar os seus bens aos dois filhos de nome Januários. Entregou a um as terras da margem direita do rio, ao outro as da margem esquerda. Assim nasceu Janeiro de Cima na margem esquerda e Janeiro de Baixo na margem direita.
 Mas Janeiro de Cima não começou a sua formação no local onde hoje se encontra. A primeira pedra foi lançada numa pequena elevação ainda hoje chamada “Esmoroços”, local onde construíram a sua primeira igreja: uma capela em honra do Divino Espírito Santo. No entanto, nos Esmoroços as formigas eram muitas e atacavam os berços das crianças, principalmente no Verão. Foi então que os antigos, que eram muito sabidos, decidiram soltar os muitos animais que possuíam (burros e vacas) por uma noite; no local que esses animais fossem pernoitar construiriam eles as suas casas, a sua nova morada. Ora esses animais apareceram ao amanhecer num pequeno vale denominado Cabeço do Vale, onde se construíram as primeiras casas feitos de pedra (bolas de pedra) e barro, por esse material ser abundante nesta região. Hoje em dia essas casas parecem cair aos pedaços, perguntando-se as pessoas como é que elas ainda se mantêm de pé. A partir desse cabeço é que a povoação se começou a alargar formando hoje uma das maiores freguesias do Fundão.

Fonte Biblio MOURA, José Carlos Duarte Contos, Mitos e Lendas da Beira Coimbra, A Mar Arte, 1996 , p.35-36

Place of collection Janeiro De Cima, FUNDÃO, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XVI Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications