Lima

APL 3256

Todos, ou quasi todos os geographos modernos estrangeiros, reconhecem que o Lima é o Lethes dos antigos.
    […]
Não se sabe com certeza a razão porque a este rio se deu o nome de Lethes (esquecimento) Strabão diz que lhe proveio do facto seguinte:
Alliando-se os túrdulos e celtas, para certa expedição que intentavam fazer, querendo passar este rio, se suscitou um motim, do qual resultou a morte do seu chefe: pelo que ficaram os soldados dispersos por esta ribeira, esquecidos completamente da tal expedição e dos motivos d’ella.
Os romanos, que depois dominaram esta provincia, estavam tão persuadidos que as aguas d’este rio produziam o esquecimento que a maior parte dos seus capitães, temendo esquecer-se de Roma, não queriam tentar a passagem d’este rio.
Tito Livio (Epitom lib. 55) diz que — Desejando o consul romano, Decio Junio Bruto, passar o rio Lima, para fazer guerra aos callaicos (gallegos) pelos annos 135 antes de Jesus Christo – e vendo que seus soldados recusavam atravessar o rio, com receio de se esquecerem da sua patria, tomou a bandeira das aguias, da mão do alferes, e passou intrepidamente o rio, chamando da outra margem os soldados pelos seus nomes, para lhes provar que se não tinha esquecido. Isto serviu de estimulo ás legiões romanas, que a exemplo do seu general atravessaram então o rio.
Dizem outros que se lhe deu o nome de Lethes, pelo summo descuido e brandura com que corre, e pela amenidade e belleza dos seus campos, que fazem a quem os vê, esquecer-se das outras terras.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo IV, p. 93

Place of collection-, PONTE DE LIMA, VIANA DO CASTELO

Narrativa

When Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications