Nazareth (Nossa Senhora de)

APL 3342

Corria o anno de 1182, e a 14 de setembro (dia em que a egreja celebra a exaltação da Santa Cruz), andava D. Fuas no seu exercido favorito, da caça. Estava a manhan de nevoeiro cerrado, e o alcaide galopava vertiginosamente em seguimento de um grande veado, que se encaminhava para o mar. Sem vêr o imminente perigo, D. Fuas se achou na ultima ponta de um rochedo, de mais de 200 braças de altura, perpendicular sobre o Oceano.
    Em tão terrifico perigo, e apenas a dois palmos da extremidade da rocha, e quasi dependurado sobre o abysmo, o cavalleiro invoca a protecção de Nossa Senhora de Nazareth e o cavallo pára de repente, ficando tão firme como se fosse uma peça da mesma rocha, e assim salvou a Senhora, de uma morte horrivel, o cavaleiro christão.
    As ferraduras dos pés do cavallo, ficaram impressas na rocha, e ainda lá se conserva este signal do milagre.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo VI, p. 21

Place of collection Nazaré, NAZARÉ, LEIRIA

Narrativa

When1182

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications