Nossa Senhora da Luz, de Camide

APL 3504

Diz Rui de Pina que, a 14 de Março de 1466, morreu na sua ermida de Carnide, Pêro Martins, «aquele que mereceu o aparecimento da Mãe da Piadança».
    Pêro Martins era um homem humilde, nascido e criado em Carnide. A certa altura da vida, foi para o Algarve trabalhar — dizem alguns autores que seria moedeiro, mas não é certo —, conhecendo aí Inês Anes, com quem casaria. Pouco se sabe da sua vida, a não ser que, em 1463, se encontrava prisioneiro em Africa, onde, desanimado com a intercessão ou o esçjuecimento dos homens, começou a pensar e a recorrer a Nossa Senhora, pedindo-lhe a graça da libertação.
    Diz a lenda que, estando Pêro Martins sujeito às crueldades e vexações do cárcere, tudo sofria com mansidão e paciência cristã. Foi então que em sonhos lhe apareceu Nossa Senhora aureolada de extraordinária luz e formosura. Ter-se-á isto repetido por uns trinta dias, durante os quais Nossa Senhora lhe foi sugerindo ideias consoladoras, que se poderão exprimir na seguinte forma de palavras:
    «Filho, consola-te! Eu te livrarei deste cativeiro em que ora estás. E como te livrar, ainda que sejas pobre e de parentes necessitados, não deixarás de fazer o que te agora digo. Irás ao lugar de Carnide, no termo de Lisboa, donde és natural, e fazer-me-ás sobre a Fonte do Machado uma ermida, como tu puderes. E será a invocação de Santa Maria da Luz, por ser este o nome que me convém e de que meu Filho é servido me chame. Nesse lugar há-de ser meu nome glorificado, honrado e aumentado com muitas maravilhas e milagres, que nele serão feitos por minha intercessão em muitas pessoas devotas. E, quando chegares, já lá acharás de minha luz e claridade os sinais, que teus naturais hoje vêem sobre a mesma Fonte do Machado. Aí acharás (buscando-a) uma imagem minha, a que farás o que te digo, e nela mostrarei eu o que sou.»
    Entre os milagres de Nossa Senhora figura o da libertação do próprio Pêro Marfins. A lenda diz que ele foi posto em sua casa de Carnide, algemado, ainda com as grossas cadeias de ferro a que se vira submetido, e que as ofereceu, mais tarde, a Nossa Senhora.
    Todos os autores que se ocupam do Santuário de Nossa Senhora da Luz referem a tradição de que, em finais de 1462, os poucos moradores de Carnide começaram a dar conta da existência de uns clarões ou luzes para os lados da Fonte do Machado. Era então aquele local, e todo o actual Largo da Luz e zonas vizinhas, um espesso e impenetrável matagal. Esta Fonte do Machado, ou da Machada, é muito anterior à construção da ermida e era uma antiga fonte de mergulho, já existente em 1311. Diz-se que a sua água protegia os moradores de doenças graves e que era benéfica para a pedra nos rins.
    Pêro Martins não contara a ninguém — nem sequer à mulher — o segredo da luz, que a tantos trazia intrigados em Carnide e arredores. Mas, achando que não tinha possibilidades de cumprir a promessa que fizera a Nossa Senhora, ainda não se tinha decidido a procurar a imagem.
    «Contudo, em dado momento em que com ele estavam Inês Anes, sua mulher, e Lopo Simão, seu primo, Pêro Martins não foi capaz de se conter e acabou por desabafar acerca dos seus cuidados. Sua mulher e seu primo queriam ambos que imediatamente se fosse em busca da Senhora. No entanto, Pêro Martins, que era inimigo da publicidade, fez questão em que tal diligência se fizesse de noite. Todos concordaram e, já na calada da noite, lá se dirigiram os três para o sítio da Fonte do Machado.
    Aí chegados, encontraram um montão de pedras, à roda do qual havia crescido abundante mato e silvedo. Roçado o mato e revolvidas as pedras, lá encontraram finalmente, sobre uma laje de mármore, uma bela imagem de Nossa Senhora. Não saberemos descrever ou imaginar as emoções dos três familiares. Sabe-se apenas que foi Lopo Simão quem sugeriu que imediatamente se erguesse como que um altar, onde a veneranda imagem fosse colocada, até que se lhe fizesse alguma casa. E foi o que se fez.
    Escusado será lembrar que foi de enorme júbilo a reacção de todos os moradores de Carnide, em face deste inesperado acontecimento. E foi, assim, que nesse longínquo ano de 1463 se iniciou a devoção e a romagem popular ao sítio de Nossa Senhora da Luz, de Carnide.»

Fonte Biblio FRAZÃO, Fernanda Passinhos de Nossa Senhora - Lendário Mariano Lisboa, Apenas Livros, 2006 , p.91-92

Place of collection Carnide, LISBOA, LISBOA

ColectorAntónio de Sousa Araújo (F)

Narrativa

When XV Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications