O Bicho Cidrão

APL 1012


Na ilha da Madeira, dois pontos rivalizam entre si: o Pico Ruivo e o Pico Cidrão.
Este último é uma serra quase inacessível ao homem, de pedra negra e dura com várias cavernas onde mora o vento e a águia. O povo diz que também lá mora o Bicho Cidrão.
Conta-se que há tempos habitava lá um pastor com um cão e o rebanho. Um dia, quando o pastor recolhia o seu rebanho, o cão calculou mal o salto nas escarpas e despenhou-se, rolando nas rochas e uivando de dor.
O pastor, num grito de desespero, ao ver o seu companheiro desfeito nas pedras, disse para a serra:
− Que mãe és tu que me roubas o irmão e o amigo, tu que me tens negado tudo?
Maldita! Antes o tivesse oferecido ao Demo!
O vento tomou conta do uivo e da maldição. Enquanto o pastor viveu, guardou-as consigo no Pico, onde só entrava a águia. Quando o pastor morreu já velho, o vento ordenou à águia que soltasse o uivo e a maldição.
Dizem as gentes que os uivos assustadores que ainda hoje se ouvem são dos dois amigos mortos que se transformaram no Bicho Cidrão.

Fonte Biblio AA. VV., - Literatura Portuguesa de Tradição Oral s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , p.HD18

Ano2000

Place of collection-, BRAGA, BRAGA

ColectorSara Elizabete Neiva da Silva (F)

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications