O Caso do Sapo com a Boca Cosida

APL 407

Certo dia em casa de uns lavradores bem conhecidos em Arruda dos Vinhos aconteceu algo que ninguém conseguia explicar: a filha do casal adoeceu.
 Os lavradores tudo fizeram para salvar a filha, mas nada resultava. Todos os dias a rapariga morria um pouco. Foi então que resolveram irá bruxa.
 Contaram a história da sua filha e mal acabaram de falar, já a vidente havia começado a rezar numa linguagem que eles não entendiam, utilizando dois pratos, um com azeite e o outro com água. Com uma mão, ora tocava no azeite, ora na água, com a outra mão segurava uma medalha, que numa face tinha a imagem de Cristo e na outra a de Nossa Senhora. Depois de algum tempo, a bruxa disse-lhes que alguém queria fazer mal à rapariga através da arte da magia negra. E continuou, dizendo-lhes que fossem para casa o mais rapidamente possível; assim que chegassem, procurassem debaixo do colchão da cama da filha um sapo com a boca cosida, o retirassem de lá e lhe descosessem a boca, pois se assim não fizessem, à medida que o sapo morria também a alma da rapariga ia deixando o corpo.
 Os lavradores correram para casa e lá encontraram o barrigudo com a boca cosida. Seguiram as instruções e mal libertaram o sapo a rapariga começou a melhorar.

Fonte Biblio CUNHA, Jorge da Criações do Génio Popular Arruda dos Vinhos, Associação para a Recuperação do Património de Arruda, 1997 , p.69-70

Place of collection Arruda Dos Vinhos, ARRUDA DOS VINHOS, LISBOA

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications