[O castelo de Montalegre]

APL 3661

No castelo de Montalegre, precisamente à meia-noite de S. João, aparecem três meninas muito lindas sentadas em cadeiras, tudo d’ouro. Já houve quem as visse, mas não se sabe o meio de as desencantar. É tradição que elas uma vez deram um avental de jóias a uma mulher, que as devia levar para casa sem falar durante o percurso, mas como ela, encontrando uma amiga que lhe perguntou o que levava no avental, dissesse que era muita riqueza que lhe ia mostrar, ao fazê-lo só achou carvão. (…)


    Uma vez um homem foi de noite chamar uma parteira da vila de Montalegre e levando-a ao castelo, ali levantou uma laje debaixo da qual estava um lindo edifício, e dentro dele duas meninas muito lindas, a mais velha das quais estava deitada com as dores de parto numa cama d’ouro. Nasceu então uma menina que a parteira entregou à companheira da parturiente. O homem abriu depois uma gaveta cheia de riquezas, e disse à parteira que levasse o que quisesse escolher, mas ela nada levou. (…)


    Entre duas pedrinhas colocadas no meio do caminho da Portela para o castelo de Montalegre, achou uma mulher, quando ia para a igreja do mesmo castelo, um cordão d’ouro. Puxando por ele viu que não tinha fim e chegando a certa altura disse “p’ra ser rica já me chega”, cortando-o, pois que não queria perder a missa. O cordão mal acabado de cortar começou a desfiar-se em sangue, ouvindo então a mulher vários gritos e maldições contra ela. Se se tivesse demorado a puxar pelo cordão enquanto o padre dizia a missa, quebrava-se o encanto.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.303

Ano1915

Place of collection Montalegre, MONTALEGRE, VILA REAL

ColectorFernando Braga Barreiros (M)

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications

TypesChristiansen 5070 Midwife to the Fairies