O cavalo da ribeira

APL 1097

Dizia o meu pai que na Pracana (qu’ele era da Pracana), quando era moço e ia dormir para os palheiros com os irmãos, como era hábito, aconteceu algumas vezes que ouviam durante a noite, para os nateiros existentes nas margens da ribeira, um barulho enorme, que até metia medo, de cavalo a galopar. Ora pra cima ora pra baixo. Diziam então:
 - Naquela ribeira não ficou nem um troço de milho em pé.
 E qual era o espanto, quando no outro dia esperavam ver tudo esputricado e estragado e estava tudo normal.
 D’ziam então que o cavalo tinha “perdido a carreira”, que se desnorteou e não encontrou a saída do vale.

Fonte Biblio HENRIQUES, Francisco Contos Populares e Lendas dos Cortelhões e dos Plingacheiros Vila Velha de Ródão, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2001 , p.128

Ano1990

Place of collection-, MAÇÃO, SANTARÉM

ColectorFrancisco Henriques (M)

InformanteMaria de Lurdes Pereira (F), - (MAÇÃO) SANTARÉM,

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications