[O fantasma]

APL 1639

Morreu em qualquer parte um sujeito de péssima reputação. Logo que faleceu começou a inchar de tal modo que não cabia num caixão ordinário, sendo necessário mandar-lhe fazer um de dimensões extraordinárias. Meteram o cadáver no caixão, mas momentos depois tinha ele desaparecido. A família mandou encher o caixão de pedras, para enganar os que o levavam para a igreja e enterrou-se o caixão, como se o cadáver fosse dentro. Passado tempo o defunto começou a aparecer noites seguidas em volta da casa da sua habitação embrulhado num xaile-manta e respondia aos mais afoitos que lhe perguntavam porque não saía dali: “Que lhe importa?” Supõe-se que era dos tais que nem podem entrar no Céu, nem no Inferno. — Foi preciso requerê-lo.

Fonte Biblio SARMENTO, Francisco Martins Antígua, Tradições e Contos Populares Guimarães, Sociedade Martins Sarmento, 1998 , p.129

Place of collection-, GUIMARÃES, BRAGA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications