O Homem de Santa Cruz e a Bruxa

APL 2470

Um homem lá de Santa Cruz, no tempo que faziam contrabando de farinha. No tempo da guerra. Era eu ainda pequenina. Pequenina mas já tinha uns 12 anos. Que foi quando foi a segunda guerra mundial. E então vinha para o Algarve vender farinha. Num carro com duas bestas. Num carro puxado com duas bestas. E na ribeira, da ponte do vascão, perto do Misquiel, parte do distrito de Faro com o distrito de Beja. Mesmo em cima da ponte. O homem vinha já. Já era de noite e vinha do Algarve para o Alentejo. Ele morava no Alentejo. Morava em Santa Cruz, mesmo. Tinha vindo levar farinha aqui para o Algarve. E então aproximou-se da ponte, porque ele tinha que passar por cima da ponte, e vê um vulto na ponte, assim um vulto esquisito, dizia o homem. Muito esquisito, preto. E aproximou-se, ela levantou-se. Era a comadre Maria Antónia. A Maria Antónia Rosalina. A tal Maria Antónia Rosalina. E levava uma criança, um filho pequenino. Para não o deixar em casa, porque o miúdo podia acordar e, depois acordava a família toda e a família levantava-se para ver o que era, e não estava lá a mãe. Nem a mãe nem o homem. Porque o homem estava deitado com ela e não deu notícia de nada.
E ele disse-lhe assim:
- Oh tia Maria Antónia, mas o que é que você está fazendo aqui na ponte?
- Ah António, não diga nada que isto é uma vergonha. Mas vinha voando, voando e cai aqui. E agora leva-me lá.
- Eu levo-a, mas eu quero quando chegar a casa ver o meu filho curado. Que és tu que estás a embruxar o meu filho. Estás a fazer-lhe mal.
- Ah, eu já não faço mal ao teu filho. Quando chegares a casa já tens o teu filho bom.
- Olha que se não estiver bom eu mato-te. E então vê lá o que é que fazes.
- Sim António. Quando eu chegar o miúdo já está bom.
E ela trazia o filho dela com ela. Que era para não deixar o miúdo em casa que era para não acordar.
Porque tinha perdido o voo. Perdeu o voo e então aterrou. Acabou-se-lhe as asas e então, olha, ficou ali na ponte. De maneira que veio com ele, de noite, e foi para Santa Cruz, e quando o homem chegou a casa o miúdo estava curado.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2007

Place of collection Santa Cruz, ALMODÔVAR, BEJA

ColectorCátia Jeremias (F)

InformanteTeresa Nobre Pontes (F), 74 y.o., born at Santa Cruz (ALMODÔVAR) BEJA,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications