O Império de S. João nos Ginetes

APL 1247

Naquele dia de S. João do ano de mil oitocentos e dez, o povo da freguesia dos Ginetes tocava a vida para a frente entre trabalho e lazer, alegrias e tristezas.
 As forças da natureza, de repente, ameaçaram a tranquilidade das populações, quando se deu uma erupção vulcânica no Pico das Camarinhas. A terra começou a tremer e ribeiras de lava e cinza foram lançadas pela boca do vulcão, cobrindo o brilho do sol e descendo em direcção à povoação. O sino da igreja começou a tocar, oscilando com os movimentos da terra e muitos populares juntaram-se perto do templo.
 O temor da morte estava estampado nos rostos, mas a fé prevaleceu e, guiados pelo sacerdote que levava o estandarte do Espírito Santo, caminharam pela Rua do Moio, a qual já estava em parte ameaçada pela lava.
 Durante a romagem ouviram-se fervorosas preces e o espanto foi geral, quando, ao chegar o estandarte ao lugar já atingido pela lava escaldante, ela começou a recuar, extinguindo-se alguma pela cratera, perdendo-se outra para os lados do mar. Aqui se formou a Ferraria que surgiu com as suas águas medicinais.
 No ano seguinte, em cumprimento de uma promessa, o Império de S. João celebrou a efeméride e, segundo a tradição, o Teatro do Divino Espírito Santo, que ainda hoje existe, foi mandado edificar no lugar da Rua do Moio onde se deu o acontecimento do recuo da lava por força do Espírito Santo.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.71

Place of collection Ginetes, PONTA DELGADA, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

Narrativa

When1810

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications