O lavrador e a cobra

APL 3624

Vivia antigamente em Vale de Telhas, concelho de Mirandela, um lavrador que costumava levantar-se muito cedo para ir trabalhar. Numa certa madrugada de Primavera levantou-se, matou o bicho, tratou dos animais, pôs o arado na carroça e meteu-se ao caminho.
    Ao chegar ao Monte da Vide encontrou uma tremoncela [espécie de timão rudimentar, feito em madeira, que serve para atrelar o atado ao animal] no chão. Mas como tal coisa não lhe fazia falta, continuou o caminho. Mais à frente pôs-se a pensar que, se lhe não fazia falta agora, talvez lhe fizesse jeito depois. Por isso, voltou para trás para a apanhar. Só que quando lá chegou, o que lhe parecia uma tremoncela era agora uma enorme cobra, que lhe disse:
    — Já vens tarde. Tiveras aproveitado e ambos poderíamos ser felizes. Assim, dobraste-me o encanto e vais carregar esse peso o resto da vida. Serás sempre pobre.
    A seguir evaporou-se. Segundo se conta, a cobra não era mais senão uma princesa moura encantada.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre A Mitologia dos Mouros: Lendas, Mitos, Serpentes, Tesouros Vila Nova de Gaia, Gailivro, 2006 , p.277-278

Ano2000

Place of collection Vale De Telhas, MIRANDELA, BRAGANÇA

InformanteAna Batista (F), 68 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications