O Lobisomem (3)

APL 393

Há já alguns anos vivia em Arruda dos Vinhos um homem que era lobisomem: todas as noites de lua cheia transformava-se em burro e percorria sete vilas castelhanas.
 Um dia, um homem que tinha a mulher doente saiu de casa para chamar um médico; no caminho encontrou um burro abandonado e montou-se nele para mais depressa chegar à casa do médico. Tirou o cinto e colocou-o à volta do pescoço do burro, este começou a galopar e á dar coices e o homem caiu no chão.
 No outro dia, o homem contou a um outro, que passava junto de sua casa, o que sucedera no dia anterior e este respondeu-lhe:
 - Quem está, está... Quem vai, vai! E entregou ao outro o cinto que ele havia colocado no pescoço do burro no dia anterior.
 Foi nesse momento que o homem descobriu quem era o lobisomem.
 No dia de lua cheia seguinte, esperou o momento em que o lobisomem se despiu para se transformar, virou-lhe a roupa do direito e abalou a fugir para que o bicho não o matasse.
 Foi assim que o feitiço foi quebrado.
 Desde esse dia nunca mais houve lobisomens em Arruda dos Vinhos.

Fonte Biblio CUNHA, Jorge da Criações do Génio Popular Arruda dos Vinhos, Associação para a Recuperação do Património de Arruda, 1997 , p.43-44

Place of collection-, ARRUDA DOS VINHOS, LISBOA

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications