O lobisomem e o caseiro

APL 3076

Na altura das segadas, vinham para aqui trabalhar homens de todos os lados de Bragança. Chamavam-lhes os serranos. Um deles ficou de caseiro numa quinta.
Certo dia, quando estava na segada com a mulher e com os filhos, passa por eles um burburinho muito forte. E o homem que é que faz? Agarra na navalha e... tumba! Atirou-a para o meio do burburinho. E qual não é o espanto dele, quando, ao desfazer-se o burburinho, aparece o patrão nu a seus pés!
Era um lobisomem e o caseiro tinha-lhe quebrado o fado. Depois, o patrão, que era um homem rico e de respeito na região, disse-lhe:
— Tu não digas nada a ninguém!
— Não, patrão, não digo!
Prometeu-lhe, por isso, uma recompensa. E quando foi para lha pagar, diz-lhe:
— P’ra não estar a dar diante das pessoas, vais lá adiante ao outeiro, que eu vou lá ter com a recompensa.
Mas o empregado, que era espertalhão, vestiu um espantalho de palha com a sua roupa e pô-lo tal sítio. Nisto, o patrão vai, e atira um tiro ao espantalho, a julgar que era o homem. E ele de longe a ver. Julgou que o matou, e bem danado ficou quando viu que não.
Depois o caseiro foi ter com o patrão, pediu que lhe fizesse as contas, pegou na familia e foi para muito longe.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2 Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , p.174

Ano2004

Place of collection-, CARRAZEDA DE ANSIÃES, BRAGANÇA

InformanteFrancelina dos Anjos Pereira (F), 76 y.o.,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications