O Monte das Cruzes

APL 1414

O monte sobranceiro à Vila de Santa Cruz, no princípio do povoamento das Flores, estava embrenhado de silvas, que estendiam as suas varas fortes por entre os troncos altos e grossos das faias, cedros, zimbros e outras árvores muito antigas, fazendo um mato embrenhado e forte, muito custoso de penetrar e desbravar. Por este tempo já os frades franciscanos viviam no convento, hoje museu de Santa Cruz. Aí levavam uma vida de pobreza, de sacrifício e de ajuda ao povo.
 A partir de certa altura, na época da Quaresma, os franciscanos impuseram a si próprios mais um sacrifício: Desbravar até à ponta o monte que ficava ali por trás do convento.
 Lançaram mãos ao trabalho e, ao fim de cada dia, estavam muito cansados, os hábitos rasgados e as mãos e os pés doridos de arranhões fundos. Mas ainda tinham força para, com dois troncos grosseiros de faia ou cedro, fazer uma cruz, que levantavam no lugar onde tinham acabado o trabalho naquele dia, a assinalar o seu sacrifício, à semelhança de Cristo no Monte Calvário.
 Os irmãos franciscanos eram poucos, o monte ainda era grande e o matagal muito velho. Assim, só parcelas muito pequenas de terreno, cada dia e mesmo cada Quaresma, ficavam prontas para serem cultivadas. Este trabalho levou vários anos até que por fim o monte ficou pronto para ser cultivado de milho, trigo ou outros produtos muito precisos para a alimentação do povo.
 Então, semeadas pelo pico, viam-se muitas cruzes que atestavam o sacrifício dos franciscanos e davam um aspecto peculiar ao monte. O povo, que via constantemente aquele cenário perante os seus olhos, passou a chamar à elevação de terreno Monte das Cruzes.
 Hoje já não se vê nenhuma cruz a atestar o nome do monte, mas apenas os terrenos de pastagem verde, divididos de hortênsias e outros arbustos. A cruz ainda se mantém como emblema no escudo da Câmara e no nome do monte e da vila.

Fonte Biblio FURTADO-BRUM, Ângela Açores: Lendas e outras histórias Ponta Delgada, Ribeiro & Caravana editores, 1999 , p.263

Place of collection Santa Cruz Das Flores, SANTA CRUZ DAS FLORES, ILHA DAS FLORES (AÇORES)

Narrativa

When XV Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications