O padre que pisou a hóstia

APL 2756

Conta o povo de Espinhoso, Vinhais, que houve noutros tempos um tal padre Careijas que, ao rezar missa em determinada aldeia, deixou cair uma hóstia ao chão, e, para que ninguém visse, empurrou-a com a bota para debaixo do altar.
Mais tarde morreu e a sua alma passou a andar durante a noite abandonada e a penar lá para os montes da “Esquia”, pois, segundo dizem, “nem Deus a quis no Céu, nem o Diabo no Inferno”. Diz ainda o povo que se avistavam umas luzes e que, em certas noites, o vento costumava trazer daqueles lados a voz do padre Careijas a gritar:
- Descalcem-me a bota! Descalcem-me a bota!
Conta-se também que dois soldados, ao regressarem de Chaves numa noite de temporal, se separaram no sítio da “Esquia”, seguindo cada um para a sua terra, e que um deles se atolou num lameiro próximo e morreu. Segundo o povo, morreu de susto ao encontrar-se com a alma do padre Careijas, e por isso ainda hoje, ao escurecer, não há garoto que se atreva a andar perto daqueles montes.

Fonte Biblio PARAFITA, Alexandre O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos Lisboa, Plátano Editora, 2000 , p.70

Place of collection Candedo, VINHAIS, BRAGANÇA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications

TypesCa-Ch 760 B El Condenado que no podía enrar en el Infierno