O pastor e a moura

APL 591

Nas Corgas havia um pastor que costumava ir com as cabras para uma serra. E um dia andava lá com as cabras e apareceu-lhe uma mulher, e disse para ele: “Você podia-me dar a sua corna com leite para os meus filhos?”
 O homenzinho pegou na corna e foi ordenhar a sua melhor cabra. Quando acabou de ordenhar a cabra, pegou na corna e deu-a à mulher, e ela disse para ali aguardar um bocadinho, que ela já lhe vinha trazer a corna, e desapareceu pelo bale. Quando voltou entregou-lhe a corna, disse obrigado e foi-se embora. Quando o pastor olhou para a corna ficou todo chateado e disse: “Dei o leite, e agora aquela vaca traz-me a corna toda suja”. E vai lavar a corna a uma nascente que por ali havia. Mas primeiro despejou os carvões que tinha dentro, lá para trás de uma moita. Quando acabou de lavar a corna ela começou a brilhar muito, e ele viu logo que era ouro, foi a correr ver onde ele tinha entornado o resto, para apanhar, mas tinha desaparecido.
 Dizem que eram os mouros, que aqui andavam e quando pediam alguma coisa a alguém agradeciam com ouro.

Fonte Biblio MOURA, José Carlos Duarte Contos, Mitos e Lendas da Beira Coimbra, A Mar Arte, 1996 , p.60

Place of collection-, PROENÇA-A-NOVA, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications