O pecado

APL 99

Era uma vez um homem que se levantava muito cedo para tocar as Avé-Marias. Todos os dias, de manhã e à noite, ao pôr do sol, tocava os sinos.
 -São horas de ir para casa. O Ti Casimiro já está agarrado ao badalo.
 Certo dia, quando ia de manhã tocar o sino, encontrou uma cabra.
 - Que está esta cabra aqui a fazer?
 Botou a cabra às costas e a cabra mijou-o todo. Deitou a cabra ao chão, mas ela não queria andar. Tornou a botar a cabra às costas e tornou a mijá-lo.
 Ao ver uma silveira grande, agarrou na cabra e deitou-a para as silvas. Tão depressa a lá botava, que tornava a cabra a vir para fora.
 Ele pensou:
 Isto não é coisa boa. Eu, se calhar, trago o diabo às costas. E vai depois, a cabra saiu e ele disse ali umas palavras. “Credo! Abrenúncio!”
 Aquilo deu um berro, botou a fugir pelo pinhal acima e desapareceu.
 Era o Pecado que o estava a atentar.

Fonte Biblio FAEL, Isabel Maria M.A. Lopes Narrativas Populares Covilhã, Centro de Formação da Ass. de Escolas do Conc. da Covilhã, 2000 , p.19

Place of collection-, COVILHÃ, CASTELO BRANCO

InformanteTi Elvira (F),

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaSome Belief

Classifications