O Pego da Carriça

APL 1882

Na freguesia de S. Marcos da Serra ha uma grande ribeira e nesta um pego, conhecido pelo nome de Pego da Carriça.
 Passou em certa noite proximo do Pego um rapaz com sua guitarra, dirigindo-se para um baile. Ouviu distintamente uma voz, que dizia:
 — Aproxima-te e toca-nos a tua guitarra.
 O rapaz era folgasão, aproximou-se mais do Pego e poz-se a tocar na sua guitarra.
 Ouviu então a mesma voz:
 — Não repares em cousa nenhuma que vejas por mais extraordinario que isso te pareça.
 O rapaz viu então um porco dansar ao som do instrumento, mais logo um touro fazéndo o mesmo e no fim appareceu uma serpente, que, depois de dansar por algum tempo, se foi enroscar ás pernas do rapaz e ergueu a cabeça no evidente intuito de o beijar. O rapaz desviou a cara com repugnaneia. A serpente desappareceu immediatamente. Então ouviu elle esta exclamação triste e violenta:
 — Ah ladrão! que dobraste o nosso encanto!
 O rapaz respondeu muito assustado:
 — Que mal fiz eu!
 — Minha irmã ia dar-te o beijo, e isto era o que só faltava para ficarmos desencantadas.
 — Ella queria tirar-me os santos oleos, ousou affirmar o mancebo.
 — Pois sim, mas fica sabendo se estás com vida a ella agradece, que te não quiz matar. Perdeste os grandes thesouros que estavam guardados para ti.
 O rapaz, cheio de medo, tratou de se pôr em fuga. Nunca mais por ali passou, como ainda hoje ninguem por ali passa ás horas minguadas da noite.

Fonte Biblio OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde Contos Tradicionaes do Algarve, Vol. II Porto, Typographia Universal, 1905 , p.268-269

Place of collection São Marcos Da Serra, SILVES, FARO

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications