[O tesouro]

APL 1996

Diziam que um príncipe árabe tinha enterrado um tesouro num terreno, aqui numa zona, aqui perto de Albufeira, que é a Mouraria, que chamavam Mouraria porque tinham morado por ali muitos mouros. E então, nesse terreno havia uma grande laje, pedra; e costumava viver, lá em cima, uma cobra enorme, lá, deitada ao sol, enrolada. E então diziam que era o príncipe que se tinha transformado numa cobra e estava a guardar o tesouro.
 E então o povo, que queria o tesouro, mas tinha medo da cobra porque a cobra era muito grande. Mas um dia combinaram e resolveram que matar a cobra quando ela estivesse a dormir. Então foram, juntaram-se com umas forquilhas e umas canas, porque é a maneira de matar uma cobra: é partindo a espinha. Então, foram com as forquilhas, conseguiram com a forquilha espetar-lhe na cabeça e, com as canas, começaram a bater na cobra. A cobra partiu-se, em vários bocados. Afastaram a laje e começaram a cavar, a cavar, a cavar... E qual é o espanto deles quando descobrem muitas moedas de ouro, de antigamente, dos Romanos, dos Árabes.... (não sei de que... sei que eram moedas, segundo consta...)
 E então disseram que tinham morto o príncipe mais uma vez e assim acabou a história.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2005

Place of collection Albufeira, ALBUFEIRA, FARO

ColectorJoão Coelho (M)

InformanteGraça Sousa (F), Albufeira (ALBUFEIRA) FARO,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications