O tronco que tapou o arco

APL 1067

O rio Tâmega, em alturas de cheia, aumenta imenso de volume arrastando na enxurrada todo o género de detritos. Tinha a velhinha ponte mais de trezentos anos e eis que, aquando uma grande cheia, um enorme tronco de carvalho apareceu sobre a corrente e, ao chegar junto à ponte, deu meia-volta ficando atravessado no arco maior impedindo a água de passar livremente.
 A ponte tremia e gemia sobre a desmedida pressão e impacto das águas.
 O povo, concentrado nas margens e aterrorizado com tal situação, começou a gritar por S. Gonçalo rogando o seu auxílio e a salvação da ponte.
 De repente, do meio da multidão, um velhinho coberto com uma capa preta e de cajado na mão dirigiu-se à ponte, caminhou sobre ela e parou sobre o arco maior. Debruçou-se entre as ameias e tocou com o cajado no enorme tronco que, por esta altura, já estava quase coberto de entulho.
 Para pasmo de todos a árvore rodou sobre si, deu meia volta e passou sobre o arco levando consigo todas as ramagens e detritos até aí acumulados.
 Quando as pessoas olharam para a ponte, com intenção de agradecer e perguntar ao velhinho quem realmente era, tinha desaparecido para nunca mais ser visto.
 As águas começaram a baixar e quantos presenciaram este prodígio, ao voltarem para casa, passaram pela ermida que tinha sido do santo e agradeceram-lhe o ter salvo a ponte — convencidos que estavam que o velhinho da capa preta - e cajado na mão era realmente S. Gonçalo.

Fonte Biblio PATRÍCIO, António Lendas de S. Gonçalo e de Amarante Amarante, Paróquia de S. Gonçalo, 2009 , p.43-44

Place of collection Amarante (São Gonçalo), AMARANTE, PORTO

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications