Os Ferreiros de Penela

APL 2225

Nas proximidades de Penela há dois montes bastante elevados e de forma mais ou menos cónica. É crença popular que dois ferreiros, dizem que irmãos, foram estabelecer as suas forjas, cada um em seu monte, mas que possuindo ambos um só malho, dele se serviam alternadamente.
 Os montes, na sua parte superior, distam uns dois quilómetros um do outro, e, quando o Melo (assim se chamava um dos ferreiros) precisava do malho, chegava à porta da forja e gritava pelo Jerumelo (assim se chamava o outro), para este lho atirar. Isso repetia-se todas as vezes que trabalhavam. 
 Os dois ferreiros eram gigantes, porque só assim podiam ter força para arremessar o malho a tão grande distância.
 Uma vez zangou-se o Jerumelo com o companheiro e atirou-lhe o malho com tanta violência que, desencabando-se este no ar, foi cair o ferro na encosta do monte Melo, e logo daí brotou uma fonte de água férrea, e o cabo, que era de madeira de zambujo, foi espetar-se na terra, a mais de dois quilómetros de distância, reproduzindo-se um zambujo, que deu o nome a uma povoação, que fica a quatro quilómetros dos referidos montes, e a que por isso se chama Zambujal.
 No cimo do Monte Melo vêem-se ainda agora umas ruínas, que são as da forja de um dos ferreiros.

Fonte Biblio VASCONCELLOS, J. Leite de Contos Populares e Lendas II Coimbra, por ordem da universidade, 1966 , p.612-613

Ano1881

Place of collection-, PENELA, COIMBRA

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications

MotivosTh [F531.3.2.3.] Giants throw tools back and forth. ---- Explains ro