Os mistérios da serra de Sintra

APL 2410

Informante: Conheço uma história acerca da Serra de Sintra. Ouvi falar pelos meus amigos num bar, quando estávamos lá em Sintra. E eles contaram-nos que havia por ali na Serra de Sintra, quando se vai para o palácio da Pena, uma casa abandonada já há muito tempo e que costumam dizer que as pessoas quando passam por lá a noite, a luz da casa estão sempre acesas e não habita naquela casa ninguém.
Colector: À volta dessa casa sabe se habitam por lá pessoas?
Informante: Não, penso que não porque é mesmo na serra, quando se está a subir para o palácio da Pena, aquilo é somente árvores lá a volta.
Colector: Costuma ouvir muito essa história na zona?
Informante: Sim, eu penso que sim, também chegavam a contar-me outras histórias, não é, mas essa foi a que me ficou mais marcada.
Colector: E lá na zona nunca ouviu falar acerca de uma história de uma rapariga que pede boleia?
Informante: Sim, também já ouvi falar, que pede boleia a carros.
Colector: E falaram-lhe a sí?
Informante: Não, ouvi falar somente por alto…
Colector: E o que é que se lembra de ter ouvido?
Informante: Sei que ela costumava pedir boleia a carros e também já ouvi dizer que até ouve um vídeo que foi feito. Eu não cheguei a ver, mas que foi feito e que ela pediu boleia a uns rapazes e que depois normalmente as pessoas tinham um acidente quando davam boleia a essa rapariga, acho que também era pela Serra de Sintra, se não me engano.
Colector: E quando lhe contam essa história sente medo ou tem receio de passar por aquela zona?
Informante: A sim! Eu já de mim tenho medo de a noite andar lá pela Serra de Sintra, porque aquela zona é muito conhecida por bruxarias e por essas histórias… e ainda por mais sabendo dessas histórias.
Colector: Ouviu falar essa história agora. Acha que vai ouvir falar dessa história para sempre?
Informante: Sim. E ainda por mais como é uma coisa que está sempre por lá. Uma coisa era se fosse algo que ninguém visse, mas ainda por mais se dizem que é mesmo uma casa que esta por lá presente e que sempre que passam por ela, as luzes estão acesas não habitando ninguém, acho que sim.

Fonte Biblio AA. VV., - Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas) Faro, n/a,

Ano2008

Place of collection-, SINTRA, LISBOA

ColectorMarlon Miguel Monteiro (M)

InformanteEliana Soraia Costa (F), 20 y.o., born at - (FARO) FARO,

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications