Pragal

APL 3402

Na estrada de Paço d’Arcos para Oeiras, ha uma fonte chamada do Pragal, a qual tem no remate da sua modesta architectura uma cruz de pedra.
    É este um sitio ameno, fresco e salubre, e alli vem descançar os viandantes e desalterarem-se com a sua crystalina e optima agua.
    Em julho de 1851, um pobre jornaleiro, na occasião em que se debruçava para beber na bica, lhe cahiu sobre a cabeça um dos braços da cruz, que o feriu mortalmente, vivendo poucas horas. Foi isto attribuido a castigo, porque o homem costumava rogar muitas pragas. Note-se, porém, que a fonte já tinha este nome ha muitos annos, corrupção de Pragães (chagas miseraveis, similhantes a uzagre, e que vão roendo as carnes.)
    Parece que antigamente se attribuia á agua d’esta fonte a virtude de curar estas chagas.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo VII, p. 656

Place of collection-, OEIRAS, LISBOA

Narrativa

When1951

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications