Provezende

APL 3405

A darmos credito á lenda, conservada de paes a filhos, o actual nome de Provezende, procede do facto seguinte:
    Pelos fins do seculo 11.º, reinava em Toledo um mouro chamado Jahiah-al-Cader-Billah (?), que foi o quarto e ultimo rei árabe d’este reino; que D. Afonso VI recuperou em 1085, e não mais se perdeu.
    Tinha Jahiah um irmão, chamado Zaide que era rei (provavelmente alcaide) do logar e fortaleza de Belchide no reino de Aragão.
    Zaide, teve por inimigo Atarte (tambem não é nome arabe) proximo parente do, então, rei de Granada, e do qual ambos os contendores eram subditos.
    Zaide, receando a influencia que Atarte podesse ter sobre o monarcha granadino, e que d’ella lhe proviria alguma cruel vingança, fugiu para esta parte da Lusitania.
    No monte, hoje chamado de S. Domingos, havia uma fortaleza romana, abandonada, e n’ella um templo, dedicado á deusa Diana.
    Zaide, reconstruiu o castello, e converteu em mesquita do seu propheta, o templosinho de Dienna.
    Parece que já então por estas terras não havia mais mouros; porque os christãos, habitantes dos trez logares de S. Joanne, não quizeram ter Zaide e os seus por visinhos, e deram sobre a fortaleza mourisca, accomettendo-a pelo lado hoje chamado monte da Torre (em memoria de uma que alli fizeram os christãos.)
    Depois de uma tenaz resistencia, foi o castello entrado, e todos os mouros degolados, á excepção de Zaide, que pôde fugir, a unhas de cavallo; mas, chegando a um sitio hoje chamado Gache, o cavallo tropeçou e ambos foram a terra, sendo o mouro assassinado pelos christãos que lhe hiam no encalço. Em quanto o feriam, exclamava o infeliz mouro – Prove Zaide! Prove Zaide!
    É d’estas palavras, que, segundo a lenda, se originou o nome de Provezende!

    (É uma das taes etymologias que nos impingiam certos sonhadores. Provezende, ou Provezendo, é nome proprio de homem.Vemos muitos godos com o nome de Provezendo, Gozendo, Lovezendo, Rozendo, Gundezendo, etc. sendo o nome patronimico, Provezendes, Gozendes, Lovezendes, etc.)

    Continua a lenda referindo que o chefe d’esta empreza foi o famoso Gonçalo Mendes da Maia (o Lidador) e que obrou esta façanha em 29 de setembro de 1145, no tempo da regencia da rainha D. Thereza, durante a menoridade de seu filho, o principe D. Affonso Henriques, que tinha então cinco ou seis annos.
   
    […]
    Ha uma variante d’esta lenda do tal Zaide, ainda conservada entre o povo. E a seguinte:
    Os moradores de S. Joanne, tornaram o castello ao rei Zaide, fugindo este em direcção a Valle Verde, mas d’ahi não pôde fugir mais, porque o cavallo que montava, se enterrou n’aquelle terreno pantanoso, onde foi alcançado e morto, do modo que diz o
manuscripto. Tambem, segundo a tradição, não foi tomada a fortaleza e morto Zaide, a 29 de setembro, mas sim a 8 de maio (dia da apparição de S. Migue) estação em que ainda não estavam enchutos os paues da veiga de Valle-Verde. E que, a causa da mudança dos habitantes de S. Joanne para Provezende (o antigo Valle-Verde) foi o serem aquelles logares (de S. Joanne) accomettidos por uma terrivel praga de formigas, que destruiam todos os fructos.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo VII, pp. 681-683

Place of collection Provesende, SABROSA, VILA REAL

Narrativa

When XII Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications