S. Vicente da Beira

APL 3435

A Ermida de Nossa Senhora da Orada situa-se à saída de São Vicente da Beira. Junto à porta há uma fonte, à qual o povo atribui a virtude de curar diversas doenças.
    Crê o povo d’estas terras, que a ermida da Senhora já existia no tempo dos godos.
    Segundo a lenda, eis a origem d’esta ermida.
    Uma donzela da villa, filha de paes honrados, foi accommettida de uma molestia que lhe fez inchar muito o ventre. O pae, persuadido que ella se tinha esquecido do que devia a si e aos seus, a levou a um logar cheio de mattos e bosques incultos, onde havia muitos animaes ferozes, decidido a expôr a filha á voracidade d’elles.
    Esta, que estava inoocente, implorou a misericordia da Santissima Virgem, a qual lhe appareceu, dizendo-lhe que não temesse nada, que Ella lhe valeria. Disse-lhe que a inchação era produzida por uma cobra que se lhe havia gerado no ventre: que fosse para casa e dissesse a seu pae que mandasse aquecer um pouco de leite, e que, ao cheiro d’elle, sahir-lhe-hia a cobra pela bocca. (!) Assim se fez, e o resultado foi como se esperava.
    O pae da donzella mandou logo construir na tal brenha onde havia exposto a filha, uma ermida dedicada á Santissima Virgem, sob o titulo de Nossa Senhora da Orada, em memoria da oração que alli fizera a filha, e na ermida collocou a pelle da tal cobra.
    Ainda ha outra versão, é a seguinte:
    Um homem de genio irascivel e desconfiado, suspeitou que a mulher faltava á fé conjugal, e levou-a á tal brenha dos hinos, e alli lhe appareceu Nossa Senhora, que o reprehendeu. O homem acreditou então, na virtude de sua mulher, pediu-lhe perdão, e fez a ermida. (O mais como da primeira lenda.)

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo IX, p. 45

Place of collection São Vicente Da Beira, CASTELO BRANCO, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XIX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications

MotivosTh [B784.2.1.1.] Snake (frog) in human body enticed out by milk (water