Senhora da Estrela

APL 674

Conta o povo de Inguias, do concelho de Belmonte, que passando Egas Moniz, alta madrugada, com o seu séquito, pelo Vale dos Trigais, no limite da referida freguesia, foi assaltado por um bando de feras.
 Depois de luta renhida, o grande aio de D. Afonso Henriques, vendo a estrela da manhã, que começa a romper, exclamou:
 — Senhora da Estrela, valei-nos.  
 As feras fugiram, e Egas Moniz, reconhecido, e no cumprimento de voto que então fez, mandou edificar, no local, uma capela a Nossa Senhora da Estrela, onde, ainda hoje, as pessoas dos arredores, acorrem, em alegre romaria, no segundo domingo de Setembro.
 As destruições do tempo arruinaram a pequena ermida que o povo construiu não há muitos anos.
 É crença, entre a boa gente de Inguias, que no sítio existiu, no tempo dos Romanos, a cidade de Valongo.
 Nas proximidades encontra-se chichorro de ferrarias em grande quantidade, sepulturas cavadas na rocha e assentos de casas, que datam de tempos recuados.

Fonte Biblio DIAS, Jaime Lopes Contos e Lendas da Beira Coimbra, Alma Azul, 2002 , p.106

Place of collection Inguias, BELMONTE, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XX Century, 50s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications