Senhora da Paz

APL 2206

Diz uma piedosa lenda que, andando uns pastorinhos a vigiar seus rebanhos, encontraram uma pequenina imagem da Virgem numa lapinha graciosamente feita num combro verdejante. Imediatamente deram notícia deste successo ao clero da Vila, que se apressou a trazê-la para a matriz de S. Miguel. Mas qual não foi a admiração de todos, quando souberam que a milagrosa imagem se tinha ausentado do templo e no dia seguinte aparece novamente no seu nicho forrado de verdura aos bons dos pastorinhos?! Era evidente que a Mãe de Jesus desejava que ali lhe fizessem a sua casa, queria ser ali, todas as manhãs, banhada pelo rosicler da aurora, perfumada pelos turíbulos das flores, saudada pelos cânticos dos passarinhos, iluminada pelos raios do Sol nascente.
 Puseram-se mãos à obra e começaram-se os alicerces, mas estes no dia seguinte amanheceram em outro sítio, na mesma colina e a pouca distância do lugar, em que tinham sido feitos pelos homens. A Senhora da Paz mostrava por este modo maravilhoso a sua vontade, que foi fielmente cumprida, ficando em pouco tempo pronta a poética ermida, que alveja risonha no alto do monte, velando dia e noite, como anjo da Paz, sobre Vila Franca.
 Lá se celebra todos os anos uma festa com alegre romaria, no segundo domingo de Novembro, dia em que a Igreja comemora o Patrocínio da Virgem.

Fonte Biblio VASCONCELLOS, J. Leite de Contos Populares e Lendas II Coimbra, por ordem da universidade, 1966 , p.514-515

Ano1906

Place of collection-, VILA FRANCA DO CAMPO, ILHA DE SÃO MIGUEL (AÇORES)

InformantePadre Ernesto Ferreira (M),

Narrativa

When XX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications