Senhora da Piedade

APL 2117

Morava em Loulé um mouro e era este mouro escravo de um cavaleiro desta vila, ao qual havia desaparecido um cavalo havia muitos dias; e porque o amo criminava ao escravo na perda dele, e o mouro o buscava com cuidado, não perdia neste negócio nenhuma diligência. Um dia chegando à meia ladeira do monte da Senhora da Piedade (a dois quilómetros da vila) lembrou-lhe a devoção com que os cristãos buscavam a Senhora, e entre si disse: se a Senhora da Piedade, a quem os cristãos adoram, me descobrisse o meu cavalo, eu seria também cristão, como eles. Ditas estas palavras, viu o cavalo, e logo atribuiu aquela obra, a que era milagre da Senhora, e assim se resolveu a fazer-se cristão, e a baptizar-se. E quis que se lhe impusesse o nome António da Piedade. De António, por suceder esta maravilha à vista do convento de Santo António; e o sobrenome tomou em memória da maravilha, que a Senhora obrara em seu favor. Depois casou este António da Piedade na vila de Loulé, e teve filhos e netos.

Fonte Biblio OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde Contos Tradicionaes do Algarve, Vol. II Porto, Typographia Universal, 1905 , p.28-29

Place of collection-, LOULÉ, FARO

Narrativa

When

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications