Souto ou Aldeia do Souto

APL 3447

Segundo a tradição, havia antigamente, distante d’esta aldeia, uma ermida, dedicada a Nossa Senhora, cuja invocação se ignora; e que estava em abandono. Junto a esta ermida havia (e ha) um ribeiro, no qual, em certa occasião, estava uma mulher lavando a sua roupa, e tinha ao pé d’ella um filho de tenra edade. Veio de improviso um lôbo (ou urso) que agarrou a creança. A mãe, aterrada, invoca o patrocinio da Senhora, e esta apparece logo, com um carneiro, que lança á féra, e esta, deixando o menino, se foi com o carneiro. A mulher veio contar este milagre ao povo, que logo tratou de reedificar a capella, mudando-a para junto da aldeia.
    É a esta ermida que vae a Via Sacra da freguezia, e a sua padroeira é objecto de muita devoção, dos povos d’estes sitios.
    Junto á ermida, ha uma fonte, da qual bebem os romeiros, na crença de que esta agua é remedio efficaz para a cura de varias doenças. Os remanescentes, correm para uma pequena horta pertencente ao eremitão da capella.

Fonte Biblio PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Portugal Antigo e Moderno Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 2006 [1873] , p.Tomo IX, p. 445

Place of collection Aldeia Do Souto, COVILHÃ, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XIX Century,

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications