Taberna seca

APL 579

Diz a lenda que os primitivos habitantes se estabeleceram num local a cerca de dois quilómetros para Norte da actual Taberna Seca e a cerca de uns 500 metros para cá do rio Ocreza. Foi aí situada com o nome de Casalinhos e ainda hoje se pode bem observar em dois cabeços a pouca distância um dos outros dois casebres, pois que em qualquer deles existem ainda paredes com mais de um metro de altura, notando-se ainda parte das divisórias. Pode até concluir-se que devido às fracas condições de alojamento da época, que ali deviam habitar quatro ou cinco famílias. Diz a lenda que estes primeiros habitantes foram obrigados a abandonar este local pelo motivo das formigas comerem os olhos aos seus filhos recém-nascidos que deixavam a dormir enquanto os pais se ocupavam na sua faina agrícola. Esses habitantes resolveram então estabelecer-se onde é hoje a actual Taberna Seca, com o nome de Airosa passando mais tarde a denominar-se Taberna Seca, pelo motivo de chegar a este local um grupo de almocreves ou mercadores, que acabaram com o vinho numa fraca taberna já ali existente nessa época. Deriva daqui o nome da Taberna Seca, porque os mesmos queriam beber mais e já não havia vinho.

Fonte Biblio MOURA, José Carlos Duarte Contos, Mitos e Lendas da Beira Coimbra, A Mar Arte, 1996 , p.31

Place of collection-, CASTELO BRANCO, CASTELO BRANCO

Narrativa

When XX Century, 90s

CrençaUnsure / Uncommitted

Classifications