Lobisomens

Results 1 thru 25
Page 1 of 6       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >

APL 1158
A benzelhoa

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 15-16
Castelo Branco (CASTELO BRANCO) CASTELO BRANCO

Contou-me a minha mãe que quando era solteira, estava no campo, e depois vinha a casa e num sábado à noite foi lá o meu pai fazer o ser ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1545
A Jaleca

DUARTE, Joaninha, A Luz da Cal ao Canto do Lume, Lisboa, Colibri, 2009 , 266
Cabeção (MORA) ÉVORA

Benjamim, homem de Avis, era lobisomem. Um dia um camponês viu um burro e como estava com calor tirou a jaleca e meteu-a em cima do burro. Nisto este ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1791
A lenda do Lagrisomem

AA. VV., -, Pampilhosa da Serra - Crendices, cultura e tradição, n/a, http://tradicao.com.sapo.pt/contos.htm,
Portela Do Fojo (PAMPILHOSA DA SERRA) COIMBRA

A lenda do lagrisomem é, porventura, a mais conhecida de entre as lendas Portelenses.
Nos tempos antigos eram usuais as famílias numerosas, uma vez que a mortalidade era elevada e ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2301
A lenda do lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Olhão (OLHÃO) FARO
Types: 4005,

Ela casou e depois foi com o marido passar o outro dia do casamento lá à da mãe que vivia num monte. E ele era lobisomem. Lobisomem não sabem ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2413
A Lenda do Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Odiáxere (LAGOS) FARO

Acho que era lá para os lados de Odiáxere ou de Lagos, lá para esses lados. Já foi há bastantes anos. E ela costumava contar à minha avó que havia ...

[Some Scepticism] [Transcrição Oral]

APL 2064
A Lenda do Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Monchique (MONCHIQUE) FARO

A senhora que me contou esta lenda era natural de Monchique e dizia-me que quando uma mulher tem sete filhas e o oitavo filho é um homem, o menino será um ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2138
A Luz da Caniceira (1ª versão)

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (ALCÁCER DO SAL) SETÚBAL

Era urna mulher qu’o homem era boeiro. Guardava bois no campo. E depois ela começou a andar desconfiada porque ele dormia atrás do gado, mas era s ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1904
A Maldição

PARAFITA, Alexandre, Antologia de Contos Populares Vol. 1, Lisboa, Plátano Editora, 2001 , 196-197
- (VINHAIS) BRAGANÇA

Dizem os velhos transmontanos que um pai nunca deve rogar uma praga a um filho. Se o fizer amaldiçoará o seu próprio sangue e pagará caro por isso ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 975
A mulher do corredor

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , CF7
Semelhe (BRAGA) BRAGA

Contam os velhos que, se um casal tiver sete filhos e o mais velho não for padrinho do mais novo, o mais velho torna-se um corredor. Para que ele ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1085
A mulher do lobisomem

HENRIQUES, Francisco , Contos Populares e Lendas dos Cortelhões e dos Plingacheiros, Vila Velha de Ródão, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2001 , 106-107
- (MAÇÃO) SANTARÉM

Uma mulher estava casada com um lobisomem mas desgostosa, aconselhou-se acerca da melhor forma de quebrar tal sina.
 Foi aconselhada a que durante a noite saísse atrás dele ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1893
[A Mulher do Lobisomem]

VASCONCELLOS, J. Leite de, Contos Populares e Lendas I, Coimbra, por ordem da universidade, 1963 , 475
Barcelos (BARCELOS) BRAGA
Types: 4005,

Uma vez uma mulher, cujo marido era lobisomem, virou-lhe o fato, que ele deixou em casa; imediatamente o lobisomem voltou aos pinotes, já no estado natural, mas nu.

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1892
A Mulher do Lobisomem

VASCONCELLOS, J. Leite de, Contos Populares e Lendas I, Coimbra, por ordem da universidade, 1963 , 475
- (COIMBRA) COIMBRA
Types: 4005,

Uma vez estava uma mulher à janela e viu passar um lobisomem. Este, mal a viu, investiu com ela, mas apenas lhe roçou pelo fato, sem lhe fazer mal. No ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 3772
A mulher lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Alijó (ALIJÓ) VILA REAL

Era uma mulher que era uma mulher que era lobisomem. A mulher era lobisomem, porque eram sete raparigas. Eu conto isso porque nós também éramos sete raparigas seguidas ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1148
A passagem dos lobisomens

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 10
Penha Garcia (IDANHA-A-NOVA) CASTELO BRANCO

Aconteceu faz já muito tempo, quando ainda era novo, um homem vinha por aqueles caminhos depois de ter feito um serão com as raparigas.
 Tudo começou com um ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 3153
A patada do lobisomem

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , 272
Vila Flor (VILA FLOR) BRAGANÇA

Na minha porta ainda tenho uma marca da patada de um [lobisomem]. Passava ali transformado num cavalo. Há muito tempo que essa marca está coberta com uma chapa.
Contava-se que ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1910
As Gargalhadas do Bode

PARAFITA, Alexandre, Antologia de Contos Populares Vol. 1, Lisboa, Plátano Editora, 2001 , 219
- (VINHAIS) BRAGANÇA

Conta-se que certa noite de inverno, um casal regressava a casa após um dia de trabalho no campo, numa propriedade distante da aldeia. Ao passar numa encruzilhada, encontraram um ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1161
A transformação do zargão

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 17-18
Castelo Branco (CASTELO BRANCO) CASTELO BRANCO
Types: 4005,

Havia na aldeia um homem que era “Zargão” e quando estavam na cama disse à mulher que apagasse a luz, mas ela deixou-se dormir e esqueceu-se.
 O homem saiu e ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2471
Bruxas e Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Quarteira (LOULÉ) FARO

A minha mãe trabalhava no armazém deste senhor e este senhor tinha uma padaria e tinha uma loja, ainda lá está a loja no mesmo lugar, a casa ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1758
Bruxas e lobisomens

AA. VV., -, Inquérito Boléu (recolhas inéditas), Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, , “Histórias de animais”, Resumo dos costumes e linguagem de Bemposta (Mogadouro), pp. 68-70.
Bemposta (MOGADOURO) BRAGANÇA

Oube uma trubuada m~utu grande e biñãu ali à ponte e disse k’ãdaba um ome dedepidu, sem camisa. Ele disse: é así a minha sorte e bai o ome ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 969
Correr o fado

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , CF1
Eiriz (PAÇOS DE FERREIRA) PORTO


Em tempos antigos, um rapaz que trabalhava como criado para um lavrador chegava a certa hora do dia e ficava muito cansado e triste. Foi então que o patr ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 544
Cova do lobisomem

CRUZ, Julio, Lendas Lafonenses, Vouzela, AVIZ / Clube de Ambiente e Património da Escola Secundária de Vouzela / ADRL, 1998 , 29
Cambra (VOUZELA) VISEU

A cova do Lobisomem é uma caverna pré-histórica, encontra-se na povoação de Cambra de Baixo, da freguesia de Cambra, situada na margem direita do rio Alfusqueiro. Acerca desta ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1677
E os corredores?

GRAÇA, A. Santos, O Poveiro, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1998 [1932] , 79-80
Póvoa De Varzim (PÓVOA DE VARZIM) PORTO

«Um velho pescador de Coelheiro vinha com a cesta para o mar. Ao chegar à ponte, saiu-lhe de um portal um chico que se pôs na sua frente a grunhir ...

[Unsure / Uncommitted] [Citação]

APL 735
Estás com’ós Lebzomes…!

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , 138
Barcos (TABUAÇO) VISEU

Ainda não há muitos anos que diziam que vinha um de Santa Leocádia e passava na nossa terra. Mas não era todas as noites. Os do fundo ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2369
História do carneiro (lobisomem)

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Tavira (Santiago) (TAVIRA) FARO

Lembro-me, mais ou menos, quando tinha mais ou menos 10 ou 11 anos, que a minha avó contava a história do carneiro que se tinha passado com o meu ...

[Some Belief] [Transcrição Oral]

APL 2679
História do Largo das Sete Ruas

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (TAVIRA) FARO

Conta uma pessoa que mora numa rua que faz parte de um largo com sete ruas. A avó contava-lhe que ás terças e ás sextas-feiras, iam para esse Largo ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]


Results 1 thru 25
Page 1 of 6       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >